Leela Experience

assinatura_satya.png

|    Osho _ No-mind    |

Com este silêncio você entra em uma dimensão diferente, a dimensão do seu interior. É uma abertura vasta para dentro do seu interior – abra suas asas sem nenhum medo, porque você não pode, dessa maneira, encontrar ninguém além do seu próprio ser.

 

Nenhum movimento, apenas seja. Uma consciência com foco único. E aí você deu um salto quântico da mente para a não-mente. 

 

Mais fundo, mais fundo. Não tenha medo, vá mais fundo. É solitário, é silencioso, mas é imensamente deleitante. Esse é o lótus do qual os budas têm falado, esse é o segredo que pode ser apontado mas não pode ser explicado. Neste exato momento você está no centro da batida do coração da existência. Deixe isso tornar-se o seu estilo de vida. Com isso vem uma tremenda primavera. Uma vida de alegria, de bençãos, de amor. É uma dança multidimensional, toda a criatividade vem desse espaço, toda poesia, música, escultura, tudo que é grandioso é nascido através desse útero, o útero do silêncio interior.

 

Seu centro mais profundo não está distante, apenas a um simples passo. Não tenha medo, você está entrando na sua própria casa, você tinha esquecido o caminho, você tinha esquecido a língua, você tem estado fora o tempo suficiente; o pássaro tem estado na gaiola por muitos e muitos anos, mas hoje o pássaro abre suas asas e se move em liberdade no céu interior. Essa é sua verdadeira morada. Neste silêncio você é o buda –lembre-se disso, deixa essa lembrança seguir você como uma sombra durante o dia. Devagar isso vai se tornar a sua própria respiração, a própria batida do seu coração.

 

Mais fundo, mais fundo! Seja um raio de diamante, corte tudo que é lixo em você, encontre a clareza do espaço do seu ser. 

 

Este momento é abençoado, porque somente neste momento você pode florescer, porque apenas este momento pode trazer você para mais perto da existência, a própria batida do coração da existência. Não tenha medo e não se agarre a nada, apenas salte, é o seu próprio ser interior.

 

Sinta a beleza deste momento, sinta o frescor, a  juventude deste momento, sinta a benção e a dança no mais profundo do seu ser.

 

Mais fundo, mais fundo. Sem nenhum medo, porque é o seu próprio céu e não há nuvens. Você é iluminado, somente vá leve e como uma flecha, para dentro, para dentro. 

 

Neste momento você é o buda, lembre-se disso, guarde isso porque é o seu tesouro derradeiro. Essa é a sua altitude, essa é a sua profundidade, isso é você na sua eternidade.

 

Nenhum movimento, nem da mente nem do corpo. Apenas seja. Agora e aqui. O puro ser.

 

Mais fundo, mais fundo. Não guarde nada, você não tem nada para perder indo profundamente no seu ser, mas tudo a ganhar. No âmago do seu ser está a porta para o reino dos céus. Você não tem nem mesmo que abrir, está aberta, esperando, entre! Você é sempre bem-vindo, entre.

 

Este é o salto quântico da mente para a não-mente. Este espaço é você, e este momento é o seu único tempo. Nestas duas palavras, aqui e agora, toda a religião se completa.

 

Belo é o momento e abençoado é você.

 

Esse silêncio é tão abençoado. Nesse silêncio você é o buda. É uma outra questão esquecer de novo. Lembre-se disso! lembre-se disso! Isso não tem nada a ver com a sua vida corriqueira e o que você faz, é uma luz interior que pode permanecer continuamente acesa 24h por dia, como uma corrente subterrânea. Vai mudar a sua vida toda, seu estilo de vida, seus padrões, suas abordagens. Exceto isso, não existe maneira para uma metamorfose. Exceto isso, não existe forma para a eternidade. Neste momento você está além da vida e da morte.

 

Para deixar mais claro que você não é o corpo nem a mente, apenas pura consciência.

 

Agora relaxe.

Veja o corpo como morto, muito distante de você, e a mente também parte disso, o mecanismo. Você é apenas um observador. Uma simples observação e você alcança o além, você transcende a vida e a morte, você transcende a dualidade. Você passa a sentir a eternidade, a imortalidade, a sua natureza cósmica. Você não é apenas uma parte. Você é o cosmos. Esse é o significado de ser um buda. Esse é o seu nada, esse é o seu vazio, puro espaço. E a partir desse espaço puro surge todo tipo de criatividade, toda canção, toda alegria, toda dança. Somente se essa experiência se tornar como o fogo selvagem em torno da terra, é possível salvar a humanidade da sua extinção.

 

Volte, silenciosamente, graciosamente, sem pressa, mantendo intacta a consciência e a experiência que você teve, porque você tem que manter isso como uma corrente subterrânea 24h por dia, ao ponto que cada ato reflita a sua consciência, sua compaixão, o seu amor, a sua meditação. Não é algo a ser feito por alguns minutos, é algo que tem que se tornar a sua própria respiração, a própria batida do seu coração. Só assim existe uma possibilidade para a humanidade do futuro para um novo homem, o qual não terá uma mente destrutiva, que não vai ter o mundo dividido em nações, que vai ter toda energia devotada a fazer a vida tão rica, tão abençoada, tão pacífica, tão amável. Os poetas sempre têm estado aí, e apenas alguns místicos experienciaram isso.

 

Meditação é o caminho para dentro, é o caminho para acordar o mestre que pode controlar a mente, que pode mudar a mente, que pode usar a mente a serviço de valores maiores; da verdade, da beleza, do amor, da alegria.